Sábado, 7 de Abril de 2007

SEM PALAVRAS

Você começou a nascer no dia que me dei um presente. E agora desanda desanda e nada estanca. Escrevo na parede de pedra. Texto.Teso.Tudo. e logo saio. O alívio ocupa o que me aflige. Chego em casa às quatro. No armário café , pão e queijo. O relógio de ponteiro parado às doze. Mudo como a sala. escrevo escrevo escrevo e nada pára. Meu Deus não pára. Na mesa o caderno guarda todas as palavras. à lápis , caneta São muitas e estão soltas. Folhas agora marcadas por palavras palavras palavras Guardei pra você por todos esses anos. A boca sem voz. Aqui ao lado da sua cama procuro seu lábio. Desenho com o dedo o sorriso que me lembro. E me levo ao jardim onde brincava. E rodava rodava rodava quando a vida nada me custava. Só soava e se anunciava. Um mar de palavras palavras palavras.
publicado por reginapombo às 16:46
link do post | comentar | favorito
|

.arquivos

.últ. comentários

Olá , sou leitora do blog..e neste momento estou a...
lindo.
que só o que pertence a você merece a sua busca.
boa viagem.
Legal!!!
goxtei do teu post.... ta profundo(desc a invasao)...
Eu também!
eu te amo
suas palavras são leves leques, brinquedos engenho...
Passei só para te deixar uma beijoca :)

.Agosto 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. ai

. http://www.shoppingpaulis...

. Roupa, me transforme em d...

. Peles falsas

. Para a minha mãe

. http://www.shoppingpaulis...

. http://www.shoppingpaulis...

. Minha mãe

. Contador

. Delírios

.tags

. todas as tags

.favorito

. PARA O FLOR

blogs SAPO

.subscrever feeds